Distribuidora Casa de Livros | Céu de um Verão Proibido (Resenha – Pela Toca)
16160
post-template-default,single,single-post,postid-16160,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.2.3,vc_responsive

Céu de um Verão Proibido (Resenha – Pela Toca)

07 mar Céu de um Verão Proibido (Resenha – Pela Toca)

Existem livros que são donos de uma dicotomia: ou conseguem tratar de temas leves de uma maneira pesada, ou conseguem tratar de temas pesados com uma leveza sem igual. Céu de um Verão Proibido, do gaúcho João Pedro Roriz, é um desses. O livro começa como alguns outros: Alexia, sua protagonista, se dá conta no fim das férias de verão que sua infância acabou. Ela mudou seus gostos, todo o status quo de sua escola se transformou e seus interesses começam a se chocar com alguns de sua família.

A partir do ponto em que o enredo começa a tomar forma, ou seja, a partir do momento que a protagonista passa a receber ligações estranhas de um desconhecido, o autor dá forma a uma história muito mais pesada do que aquela que o leitor imaginava no começo.

Embora você comece o livro jurando que vai ver uma historinha mais leve, com um quê de romance, o autor dá um tapa na tua cara e leva a história para lugares muito mais obscuros, inserindo drogas, perda, amadurecimento e bullying. E o final, então? É como se o autor arremessasse informação atrás de informação e ação atrás de ação, tudo na cara do leitor.

Os personagens de “apoio” são carismáticos, principalmente a avó de Alexia e Henrique, vendedor de uma livraria que a protagonista frequenta, e ajudam a personagem principal a crescer e a amadurecer, fora o pequeno detalhe de serem mais legais que a própria Alexia.

A maneira que Roriz escreve é deliciosa de se ler, ele dá voz à Alexia, que sabe se expressar bem e é decidida quando quer. Fora isto, toda a narrativa possui um quê poético, já que Alexia faz, vez ou outra, algumas poesias.

Lá vem ele…
Vinte anos bem vividos,
céu de um verão proibido,
corpo de luz tatuado,
Olhos de um sol delicado.
A janela me permite
Brincar com o futuro.
Ainda choro no escuro,
Minha voz se atrapalha.

A edição da BesouroBox, como sempre, é bem cuidada. Tem uma diagramação bem feita, um cuidado com a capa, as capas internas e a quarta capa, ilustrações internas e boa revisão.

WP_20150903_07_48_31_Pro

Assim, Céu de um Verão Proibido é um livro recomendadíssimo para quem gosta de uma história de amadurecimento e que sabe tratar temas pesados de uma maneira leve, tudo isto em uma escrita envolvente e que, embora de vez em quando perca o ritmo, logo o encontra e empolga o leitor.

Sem comentários

Escreva um comentário